domingo, 27 de março de 2011

A dor de Doralice

Doralice nunca mais esqueceria aquele olhar de Ramon no dia em que, na frente dele, deixou a toalha cair de propósito. Era a oportunidade perfeita, os dois sozinhos na casa, ela saindo do banheiro, ele passando pelo corredor. Quando se preparava para abrir a porta, Doralice sentiu as passadas das botas vindo casa a dentro e, num cálculo perfeito, já soube onde ele estaria, qual o lugar e o instante preciso, do alvo da sua nudez. Mas quando a porta se escancarou, e seus olhos se bateram com os dele, ela nem com todo o seu pessimismo poderia esperar um olhar como aquele, tão compassivo, tão sereno, quase paternal. Ainda molhada do banho, e também de suor, e também do calor dos seus frêmitos, só restou a Doralice vencer a vertigem e se abaixar para pegar a toalha, quando ele disse “opa” e passou.

E depois ela sentiu raiva. Sentada na cama, penteando o cabelo com força, Doralice perguntava-se o que houve de errado, porquê ela sabia que com ele não tinha nada de estranho. Foi pai aos 16 anos, e hoje solteiro, dificilmente passa um fim de semana sozinho. Mas pra ela não soltava nada. Nem uma olhadela sequer, nem um mínimo tremor, nem um fôlego a menos, e olhe que Doralice não precisaria de muito pra ter isso. Ainda mais quando ela forçava, recostava-se, preocupada em cobrir só o mínimo para não ser pega descomposta caso chegasse algum estranho. Seu marido, Euler, irmão de Ramon, lhe dava a cada dia a certeza de que ela era realmente como se via: perfeita. Da porta pra rua ele era uma implicância só, vigiava, enfastiado, mas em casa, entre os parentes, nem ligava, e pode ter sido essa abertura, essa proximidade toda, que a fez enxergar o homem naquele seu cunhado.

Ser por ele subjugada, provar o seu gosto, não se tratava de uma molecagem mesquinha, inconseqüente. Ela não era carente, não era frustrada, tudo tinha mais a ver com paixão mesmo, um gostar arrevesado que pulula quase como uma dor na sua carne - era uma vontade cega de se alegrar na alegria dele, daquele homem. Foi com esse sentimento que soltou a toalha, sem preparação, num repente febril, e ali, totalmente indefesa, levou um maldito coice de consideração. “Vai ver ele tem caráter, só pode”, pensava, revoltada.